Morre Mais Uma Pessoa Em Protestos Na Venezuela

Morre Mais Uma Pessoa Em Protestos Na Venezuela

Um jovem de 21 anos morreu nesta terça-feira (2) durante uma “tentativa de saque” em Valencia, na Venezuela, após um protesto contra o presidente Nicolás Maduro.

Com isso, chegam a 31 o número de vítimas durante as manifestações contra o governo –iniciadas há pouco mais de um mês–, de acordo com um balanço da Procuradoria do país.

No Twitter, o Ministério Público do país disse que o jovem morreu em “situação irregular” que está sendo investigada.

“Lamentamos profundamente a morte deste jovem ocorrida durante a noite desta terça-feira na Av. Villa Florida de Valencia”, estado Carabobo, declarou o órgão.

Segundo a imprensa local, após um protesto da oposição começaram distúrbios e tentativas de saques, e o proprietário de um estabelecimento que iria ser roubado atirou contra várias pessoas, matando o jovem.

Há relatos ainda de outras mortes, mas ainda não houve confirmação das autoridades.

Nesta quarta, a oposição venezuelana tomará novamente as ruas de Caracas, desta vez para protestar contra a convocação de Maduro de uma Assembleia Constituinte, considerada por ela uma “fraude” para evitar eleições e se reforçar no poder.

Sob o lema “Contra a fraude constituinte”, a liderança opositora convocou seus seguidores a se concentrar em uma estrada estratégica no leste de Caracas para posteriormente marchar rumo a um local que não quis revelar.

“Todas as ditaduras caem. Esta pantomima que deseja convocar não pode tirar nossa maior força: o povo na rua”, declarou Freddy Guevara, vice-presidente do Parlamento, único poder do Estado controlado pela oposição.

Pressionado após um mês de protestos opositores que exigiam eleições gerais, Maduro convocou na segunda-feira uma Assembleia Nacional Constituinte “popular”, cujos 500 membros da assembleia serão eleitos por setores sociais e municípios.

“É uma fraude madurista. Como não podem vencer as eleições, querem impor o modelo eleitoral cubano para permanecer no poder”, afirmou o líder da oposição Henrique Capriles, ao encorajar seus seguidores a protestar.

Nenhuma das marchas realizadas pela oposição desde 1º de abril conseguiu chegar ao centro de Caracas –onde se localizam as sedes dos poderes públicos– já que a multidão é bloqueadas e dispersada com gás lacrimogêneo pelas forças de segurança.

Os protestos acontecem em meio a uma grave crise econômica que minou a popularidade de Maduro, cuja gestão é rejeitada, segundo pesquisas privadas, por mais de 70% dos venezuelanos, cansados da escassez de alimentos e medicamentos, da inflação mais alta do mundo e da criminalidade.

*

Entenda

Assembleia Constituinte na Venezuela

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

1) Como o presidente Nicolás Maduro justifica a convocação da nova Assembleia Constituinte?
Ele diz que a Constituinte servirá para obter a paz, derrotar “o golpe fascista”, como se refere aos protestos da oposição e à pressão internacional, para que seja a população a responsável pelo que chama de refundar a república

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

2) O presidente pode convocar sozinho uma nova Constituinte?
Sim. O artigo 348 da atual Constituição dá aval ao titular do Poder Executivo a chamá-la. Também podem fazê-lo a Assembleia Nacional (com dois terços de seus integrantes), as Câmaras Municipais (com dois terços dos municípios) e a população, desde que consiga 15% do eleitorado

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

3) A Venezuela terá uma nova Constituição?
Embora a convocação sugira a redação de uma nova lei máxima, ainda não se sabe. Os próprios dirigentes chavistas se dividem entre dizer que será uma reforma ou uma lei completamente nova

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

4) Existe uma lei que determine como deve ser feito o processo?
Não. Uma comissão do governo enviará as regras para a avaliação do Conselho Nacional Eleitoral (cuja maioria da diretoria é de aliados do chavismo)

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

5) A convocação precisa passar por plebiscito?
Não, embora Hugo Chávez tenha recorrido à consulta popular em 1999

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

6) Como será composta a nova Assembleia?
Maduro diz que serão 500 representantes, vindos de setores sociais e regionais, sem a participação de partidos políticos; isso, dizem juristas, viola a Constituição ao ser rompida a representatividade política

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

7) Quem poderá se candidatar à Constituinte?
Também não se sabe, embora com o uso da expressão “comunitária”, Maduro tenha dado a entender que a maioria dos candidatos viria dos conselhos comunitários, instâncias fundadas e, em sua maioria dominadas, pelo chavismo

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

8) A oposição poderia ter candidatos?
Isso também é incerto. A participação dos rivais de Maduro se complicaria se o CNE permitisse que a eleição se realize sem partidos, como quer o governo. O órgão ainda pode ilegalizar siglas opositoras por meio de uma revalidação de partidos que acontece desde fevereiro, assim como a Justiça pode declará-los inelegíveis, como ocorreu com Henrique Capriles

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

9) Por que a oposição considera a medida um golpe de Estado?
O presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, considera que uma constituinte comunitária e sem partidos “não representa o povo”. Também consideram que caberia ao Legislativo aprovar uma reforma constitucional, como encaram a medida

Ícones da Editoria de Arte - Ícones Projeto Gráfico - Ícone genérico - Reforma trabalhista - Geral

10) Como ficam as eleições regionais e presidenciais?
Só acontecem após aprovada a nova Constituição

Comentários

Comentários: 0